quarta-feira, 26 de agosto de 2009

NOVO ESTUDO MOSTRA QUE CRIANÇAS ENSINADAS EM CASA SE DISTINGUEM ACADEMICAMENTE

Crianças educadas em casa marcaram, em média, 37% pontos acima dos estudantes de escola pública em testes padronizados para medir o desempenho
PURCELLVILLE, Virginia, EUA, 7 de agosto de 2009 (Notícias Pró-Família) — Hoje, a Associação de Defesa Legal da Educação Escolar em Casa (ADLEEC) disponibilizou um novo estudo: o Progress Report 2009: Homeschool Academic Achievement and Demographics (Relatório sobre Progresso 2009: Um estudo estatístico sobre o desempenho acadêmico da educação escolar em casa), conduzido pelo Dr. Brian Ray do Instituto Nacional de Pesquisa da Educação Doméstica, que avaliou 11.739 alunos que estudaram somente em casa no ano escolar de 2007-08. Os resultados estavam coerentes com estudos anteriores sobre desempenho acadêmico da educação escolar em casa e mostraram que em média os alunos que estudam em casa marcaram 37 por cento de pontos acima dos estudantes de escolas públicas em testes padronizados para medir o desempenho.

“Esses resultados validam a dedicação de centenas de milhares de pais que educam em casa e estão dando a seus filhos a melhor educação possível”, disse Michael Smith, presidente da ADLEEC.

O Relatório sobre Progresso atraiu alunos que educam em casa de 15 serviços de teste independentes e é o estudo mais abrangente de desempenho acadêmico da educação escolar em casa já completado.

Embora os resultados acadêmicos sejam impressionantes, o estudo também mostrou que as lacunas de desempenho comuns em escolas públicas não foram constatadas entre os alunos que estudam em casa.

Os meninos educados em casa (que estão 87 por cento acima dos meninos de escolas públicas) e as meninas (que estão 88 por cento acima das meninas de escolas públicas) tiveram notas iguais; o nível de renda dos pais não afetou de forma considerável os resultados (renda doméstica abaixo de 35.000 dólares: 85 por cento acima — renda doméstica acima de 70.000 dólares: 89 por cento acima); e embora o nível da educação dos pais tivesse algum impacto, até crianças cujos pais não tinham formação universitária tiveram notas 83 por cento mais elevadas, que é bem acima da média nacional para estudantes de escolas públicas. As crianças que recebem educação escolar em casa cujos pais tinham formação universitária tiraram notas 90 por cento acima.

“Por causa da instrução direta de indivíduo para indivíduo na educação escolar em casa, estamos academicamente preparados para sermos membros produtivos e contribuintes da sociedade de hoje”, disse Smith.

Em média, as escolas públicas gastam aproximadamente 10.000 dólares por criança anualmente, enquanto que o Relatório de Progresso mostra que os pais que educam em casa em média gastam cerca de 500 dólares por criança anualmente.
“A educação escolar em casa é um movimento que está crescendo e progredindo rapidamente, e está desafiando a opinião popular sobre o melhor modo de criar e educar a próxima geração”, disse Smith,

Há aproximadamente 2 milhões de crianças educadas em casa nos EUA hoje. Esse número é cerca de 4% da população em idade escolar, e a educação escolar em casa está crescendo por volta de 7% ao ano.

Mais detalhes sobre o Relatório de Progresso

Traduzido por Julio Severo: www.juliosevero.com

Veja o artigo original aqui: http://www.lifesitenews.com/ldn/2009/aug/09081008.html
Copyright © LifeSiteNews.com. Este texto está sob a licença de Creative Commons Attribution-No Derivatives. Você pode republicar este artigo ou partes dele sem solicitar permissão, contanto que o conteúdo não seja alterado e seja claramente atribuído a “Notícias Pró-Família”. Qualquer site que publique textos completos ou grandes partes de artigos de Notícias Pró-Família ou LifeSiteNews.com em português tem a obrigação adicional de incluir um link ativo para “NoticiasProFamilia.blogspot.com”. O link não é exigido para citações. A republicação de artigos de Notícias Pró-Família o LifeSiteNews.com que são originários de outras fontes está sujeita às condições dessas fontes.

Nenhum comentário:

Postar um comentário